Métodos de Custeio

metodos-de-custeio

No processo de apuração do custo dos produtos, os gestores dispõem de métodos de custeios que são caracterizados pelo processo de identificar e associar o custo ao objeto que está sendo custeado, ou seja, estão associados à mensuração do custo dos produtos. Assumindo, assim, papel primordial na gestão de custos e no auxílio gerencial, atuando como instrumento de planejamento e controle, além de contribuir com a tomada de decisões.

Não há como afirmar que um método de custeio seja melhor que o outro, pois essa avaliação depende do objetivo que se tem ao apurar os custos e do fluxo de produção analisado. Dessa forma, não existe metodologia de custeio certa ou errada. Muito menos método de custeio ideal. Cada organização procura escolher e adequar os métodos conhecidos e disponíveis às suas necessidades de informação de custo. Isto é, depende do objetivo, da utilidade dessas informações, do fluxo de produção e também do custo para implantar e operar o método escolhido.

Outro ponto fundamental é ter o entendimento que a mensuração do custo depende do objeto de custeio. Assim, dependendo do objeto de custeio, os custos serão classificados como fixos ou variáveis e diretos ou indiretos. Essas classificações afetam as mensurações de custo de forma diferenciada, de acordo com a metodologia de custeio adotada.

Nesse artigo serão tratados três métodos de custeio: o custeio por absorção, o custeio variável e o custeio baseado em atividades (ABC) – que são apresentadas a seguir:

Metodologias de custeio

Custeio por absorção

O Custeio por Absorção, também conhecido como Custeio Funcional ou Custeio Tradicional, é uma metodologia de custeio que representa o instrumento mais clássico de gestão de custos em diversas instituições sendo utilizado para fins de evidenciação legal do resultado, ou seja, atende às exigências societárias (pagar dividendo) e fiscais (pagar imposto de renda e contribuição social). É adotado para esses fins uma vez que elimina grande parte da discricionariedade do gestor na composição da informação de custos,aumentando o controle dos agentes externos à organização sobre o impacto da informação de custo nos resultados contábeis.

Resume-se no critério em que se apropriam todos os custos de produção sejam eles diretos (por meio da apropriação direta) ou indiretos (por meio de sua atribuição com base em critérios de rateios), fixos ou variáveis, e somente os custos de produção, aos produtos elaborados. Sendo os demais gastos considerados como despesas, impactando o resultado do período em que ocorreram.

A distinção entre custos e despesas é relevante nesse tipo de custeio, porque os custos absorvidos pela produção ficarão ativados nos estoques e as despesas relativas à administração da empresa, comercialização do produto e os gastos financeiros decorrentes de empréstimos, serão levados diretamente para o resultado do período.

Esse tipo de metodologia de custeio pode ser dividido em: Custeio por Absorção Simples e Custeio por Absorção Departamentalizada.

Esquematicamente, o método de apropriação de custos do Custeio por Absorção é apresentado a seguir:

custeio por absocao

Figura 1 – Método de apropriação de custos do Custeio por Absorção

Custeio variável

É uma metodologia de custeio criada para se operar num ambiente flexível, com rápidas mudanças, utilizado principalmente para fins gerenciais e de tomada de decisão.

No Custeio Variável, também conhecido como Custeio Direto, são apropriados aos produtos somente os custos variáveis, sejam eles diretos ou indiretos, aos produtos fabricados enquanto o custo que não é considerado variável é segregado e considerado despesa do período e lançado diretamente no Resultado do período correspondente. Portanto, o grande desafio desse método de custeio é conseguir separar, com precisão, todos os custos fixos de todos os custos variáveis.

O Custeio Variável não é aceito pela legislação brasileira como critério de avaliação de estoque, seja para apuração de resultado de períodos ou para o Balanço Patrimonial, por ferir os Princípios Fundamentais de Contabilidade. Os custos fixos de produção e as despesas são lançados à demonstração de resultados para confrontação com a receita do mesmo período. As vendas de um período não são obrigatoriamente referentes aos produtos nele elaborados, e uma vez que todos os custos fixos são considerados despesas, no período em que incorreram, este método acaba por não atender ao Princípio Contábil denominado Competência de Exercícios.

Nesse tipo de metodologia de custeio pode se analisar a Margem de Contribuição e o Ponto de Equilíbrio da organização.

Esquematicamente, o método de apropriação de custos do Custeio Variável é apresentado a seguir:

Custeio Variável

Figura 2 – Método de apropriação de custos do Custeio Variável.

Custeio Baseado em Atividades – ABC

O método de Custeio Baseado em Atividade (ABC – Activity Based Costing) assume como pressuposto que os recursos de uma organização são consumidos por suas atividades e não pelos produtos que ela fabrica. Os produtos ou serviços surgem como consequência das atividades consideradas estritamente necessárias para fabricá-los e comercializá-los, e como forma de se entender as necessidades, expectativas e desejos dos clientes.

Desse modo, o objetivo principal do sistema ABC é a alocação racional dos gastos indiretos aos bens e serviços produzidos, proporcionando um controle mais apurado dos gastos da organização, auxiliando na gestão de custos e no suporte nas decisões gerenciais.

Na visão tradicional de custos, tanto serviços quanto produtos consomem recursos na prestação de seu trabalho. A metodologia ABC, por outro lado, acredita que serviços ou produtos consomem atividades e, depois, essas atividades consomem recursos, como mostra a Figura abaixo:

custos e o Sistema ABC

Figura 3 – Diferença entre a visão tradicional de custos e o Sistema ABC.

Desse modo, na metodologia ABC, os valores dos recursos consumidos são alocados às atividades (objetos de custeio da 1ª etapa) que consomem tais recursos, por meio de direcionadores de custos. Posteriormente, tais valores acumulados às atividades, que já podemos denominar custo das atividades são direcionados aos produtos (objeto de custeio da 2ª etapa) que se beneficiam dessas atividades.

Esquematicamente, a metodologia ABC é apresentada a seguir:

ABC - Activity Based Costing

Figura 4 – Método de apropriação de custos do Sistema ABC.

Gostou do nosso artigo? Conheça nossa solução Hypercube e entre contato!